Logan – Novo filme baseado em quadrinhos…

Logan – Novo filme baseado em quadrinhos com classificação para maiores de 18 anos. Logan é uma excelente proposta que teve o apoio da Fox depois do sucesso de Deadpool. Como ambos os filmes vem mudar a proposta dos quadrinhos, colocando histórias mais adultas e não se preocupando com o público mais infanto, vale a…

Cadernos de Camus – Albert Camus

Cadernos de Camus – Albert Camus é um de meus autores favoritos e já citei aqui alguns livros brilhantes de sua autoria. Agora venho fazer uma resenha-sugestão; os cadernos de Camus, publicados em 2014 no Brasil, demonstram a sensibilidade e persistência de um gênio ainda por se mostrar.  No total são nove cadernos, porém apenas…

A elegância do ouriço – Muriel Barbery

A elegância do ouriço – Mais um sopro de alegria na literatura contemporânea, Muriel Barbery vem criar esse livro delicado e tão bem estruturado que a complexidade não incomoda, na verdade se transforma em cotidiano diante de nossos olhos. A elegância do ouriço é mais uma boa surpresa que tive no passado, ao me interessar…

Casablanca – Michael Curtiz

Casablanca – Um filme americano dirigido em 1942 por Michael Curtiz. Uma descrição precisa, porém simples demais para uma obra-prima. Casablanca é, até hoje, considerado um dos melhores filmes de todos os tempos. Vários prêmios, incluindo oscar de melhor filme, e muitos elogios a atuação e química entre Humphrey Bogart e Ingrid Bergman. A história…

O Demônio do meio-dia – Andrew Solomon

O Demônio do meio-dia – As vezes nos deparamos com um livro que tem uma pegada tão prática e objetiva que muda a forma como encaramos certas situações. O demônio do meio-dia de Andrew Solomon é este tipo de livro. Uma anatomia da depressão.  Apenas aquele que passou, ou passa, por essa doença que sabe…

La La Land – Obra magnífica

La La Land – Obra magnífica. Seria essa a resenha sem muito explicar. Já explicando; La La Land é preciso ser elogiado como se deve elogiar um musical.. O óbvio seria falar da trilha sonora sublime, da homenagem ao jazz(que precisava de um filme desse calibre em sua homenagem), das belas coreografias, do figurino brilhante….

O amor é um cão dos diabos – Bukowski

O amor é um cão dos diabos. Este é um daqueles livros em que é difícil fazer uma resenha. É um compêndio de poesias de Bukowski. Como toda sua escrita o livro sangra a cultura das ruas, dos bêbados, dos sonhadores. Bukowski, herdeiro do verso livre de Whitman, é um gênio do texto auto-biográfico, sujo, real…

A Peste – Albert Camus

A Peste – Albert Camus é o ápice da literatura existencialista. Gênio da descrição precisa. Camus foi reconhecido muitas vezes por seus textos, inclusive com o Nobel de literatura aos 42 anos de idade. Em várias listas colocam A Peste como sua obra mais importante. Haverão outras resenhas de livros dele aqui e não quero…

Ninfomaníaca – Lars Von Trier

Ninfomaníaca: Dentre os diretores geniais não hollywoodianos poucos nomes provocam mais polêmica que Lars Von Trier. O diretor de filmes brilhantes como Dançando no Escuro e Melancolia coleciona criticas positivas e negativas pelo mundo. De qualquer forma um filme novo dele sempre significa um novo olhar, um olhar mais cru e forte do que qualquer…

1Q84 – Haruki Murakami

1Q84: Melhor trilogia dos últimos anos, e dizer apenas isso não basta, já que nos últimos anos apenas outra trilogia deve realmente ser levada em conta: Millenium de Stieg Larsson. Bem, 1Q84 é o trabalho mais ambicioso do escritor japonês Haruki Murakami. Ao perceber que um livro tem um autor japonês as pessoas já esperam…

Divertidamente – Pixar

Divertidamente: Há tempos a Pixar vem nos presenteando com seus filmes, a lista é extensa; Toy Story, Up, Wall-e, Procurando Nemo, e tantos outros. Porém o filme que impressionou e emocionou o mundo em 2015 é o primeiro dela que quero destacar. Divertidamente é uma obra-prima, é um filme daqueles em que o espectador se…

O Duelo – Anton Tchekhov

O Duelo: Anton Tchekhov é um nome que impõe respeito na literatura. Muitos críticos o consideram o maior contista de todos. É um título e tanto num mundo onde também existiram Cortázar e Borges, mas ele é justo. Tchekhov, que era médico antes de escritor, trouxe para a literatura descrições objetivas, específicas, sentidas.  Nesse caso…